Você está em - Home - Artigos - Desempenho de um painel de marcadores séricos maternos na predição de pré-eclâmpsia em uma gestação de 11-15 semanas.

Desempenho de um painel de marcadores séricos maternos na predição de pré-eclâmpsia em uma gestação de 11-15 semanas.

OBJETIVO:
Avaliou-se um modelo discriminante de previsão com base em distribuição quantitativa de um painel de biomoléculas no soro materno pode discriminar gestações normais de quem vai desenvolver pré-eclâmpsia (PE) antes do início dos sintomas clínicos de 11-15 semanas de gestação.
MÉTODOS:
Estudo caso-controle envolvendo 56 mulheres destinadas a desenvolver casos de PE combinado 01:03 para a idade gestacional com 168 controles. Após múltiplas de conversão (MoM) mediana de todos os marcadores disponíveis, compreendendo um total de Activina (t-activina A), P-selectina, e receptor do factor de crescimento endotelial vascular (VEGFR), as razões de probabilidade combinados gerados para cada um dos marcadores foram utilizados para calcular, para cada paciente inscrito no estudo, as chances de ser afectada dado um resultado positivo (OAPR) de desenvolvimento de PE. Para todas as análises realizadas, o erro do tipo II foi de <20%, com um erro de tipo I fixado em 5%.
RESULTADOS:
Os dados foram expressos em MoM de controles. A P-selectina foi identificado como o marcador com a capacidade de melhor discriminante entre os controlos e PE, seguido de (t-activina A). Não houve diferenças significativas na VEGFR foram observadas entre os casos e controles. Ao utilizar uma prevalência de 3% de PE (ou, a cerca de 1:33) verificou-se que a média de desenvolver OAPR PE para os 56 casos foi 01:09 ou 10% (1:1-1:417). O OAPR mediana de PE para controles foi 1:40 ou 2,5% (variação de 1:6-1:4205). Taxa de detecção do modelo estatístico, com uma taxa de 5% de falso-positivo foi de 59%.
CONCLUSÃO:
Esta análise revelou que os marcadores séricos maternos avaliados no primeiro e segundo trimestre de gravidez em pacientes assintomáticos pode melhorar a detecção precoce dos casos de maior risco de desenvolver PE.

Fonte: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=Performance%20of%20a%20panel%20of%20maternal%20serum%20markers%20in%20predicting%20preeclampsia%20at%2011-15%20weeks'%20gestation.%22



Texto Original

OBJECTIVE:
We evaluated whether a discriminant model of prediction based on quantitative distribution of a panel of biomolecules in maternal serum can discriminate normal pregnancies from those who will develop preeclampsia (PE) prior to onset of clinical symptoms at 11-15 weeks' gestation.
METHODS:
Case control study encompassing 56 women destined to develop PE cases matched 1:3 for gestational age with 168 controls. After multiple of median (MoM) conversion of all available markers, comprising total Activin A (t-activin A), P-selectin, and vascular endothelial growth factor receptor (VEGFR) the combined likelihood ratios generated for each marker were used to calculate, for each patient enrolled in the study, the odds of being affected given a positive results (OAPR) of developing PE. For all the analyses performed, the type II error was < 20% with a type I error fixed at 5%.
RESULTS:
Data were expressed in MoM of controls. P-selectin was identified as the marker with the best discriminant ability between controls and PE, followed by (t-activin A). No significant differences in VEGFR were observed between cases and controls. By using a 3% prevalence of PE (or, about 1:33) we found that the median OAPR of developing PE for the 56 cases was 1:9 or 10% (1:1-1:417). The median OAPR of PE for controls was 1:40 or 2.5% (range, 1:6-1:4205). Detection rate of the statistical model, with a 5% false-positive rate was 59%.
CONCLUSION:
This analysis revealed that maternal serum markers assessed at the first and second trimester of pregnancy in asymptomatic patients can improve the early detection of cases at higher risk of developing PE.

Desenvolvimento WSB