Você está em - Home - Artigos - Avaliação da translucidez intracraniana (TI) na detecção de espinha bífida no exame 11-13-semana.

Avaliação da translucidez intracraniana (TI) na detecção de espinha bífida no exame 11-13-semana.

Diagnóstico pré-natal de espinha bífida aberta é realizada por exame ultra-sonográfico no segundo trimestre de gravidez. O diagnóstico é suspeitado pela presença de um "limão em forma de 'cabeça e um' banana em forma de 'cerebelo, pensado para ser conseqüências do deslocamento caudal do rombencéfalo. O objectivo do estudo foi determinar se em fetos com espinha bífida este deslocamento do cérebro é evidente a partir do primeiro trimestre de gravidez.
Em mulheres submetidas a exames de ultra-som de rotina em uma gestação de 11-13 semanas como parte do rastreamento de anomalias cromossômicas, uma visão médio-sagital da face fetal foi obtido para medir a espessura da translucência nucal e avaliar o osso nasal. Nessa visão, o quarto ventrículo, que se apresenta como uma translucidez intracraniana (TI) entre o tronco cerebral e do plexo coróide, é facilmente visível. Foi medido o diâmetro ântero-posterior do quarto ventrículo em 200 fetos normais e em quatro fetos com espinha bífida.
Nos fetos normais do ventrículo quarta era sempre visível eo diâmetro mediano ântero-posterior aumentou de 1,5 mm a uma CCN-(LCR) de 45 mm a 2,5 mm a uma CRL de 84 mm. Nos quatro fetos com espinha bífida do ventrículo estava comprimido pela rombencéfalo caudalmente deslocados e não poderia ser visto.
A visão médio-sagital da face como rotineiramente utilizado no rastreamento de anomalias cromossômicas também podem ser usados ​​para a detecção precoce de espinha bífida.

Fonte: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19705402



Texto Original

Prenatal diagnosis of open spina bifida is carried out by ultrasound examination in the second trimester of pregnancy. The diagnosis is suspected by the presence of a 'lemon-shaped' head and a 'banana-shaped' cerebellum, thought to be consequences of caudal displacement of the hindbrain. The aim of the study was to determine whether in fetuses with spina bifida this displacement of the brain is evident from the first trimester of pregnancy.
In women undergoing routine ultrasound examination at 11-13 weeks' gestation as part of screening for chromosomal abnormalities, a mid-sagittal view of the fetal face was obtained to measure nuchal translucency thickness and assess the nasal bone. In this view the fourth ventricle, which presents as an intracranial translucency (IT) between the brain stem and choroid plexus, is easily visible. We measured the anteroposterior diameter of the fourth ventricle in 200 normal fetuses and in four fetuses with spina bifida.
In the normal fetuses the fourth ventricle was always visible and the median anteroposterior diameter increased from 1.5 mm at a crown-rump length (CRL) of 45 mm to 2.5 mm at a CRL of 84 mm. In the four fetuses with spina bifida the ventricle was compressed by the caudally displaced hindbrain and no IT could be seen.
The mid-sagittal view of the face as routinely used in screening for chromosomal defects can also be used for early detection of open spina bifida.

Desenvolvimento WSB